banner_fornecedores

Indústria de material de construção tem fevereiro regular, apura Abramat
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) acaba de divulgar a nova edição do Termômetro da Indústria de Mate... Leia mais.

Mortes por choques elétricos aumentam 12% no Brasil, apura Abracopel
Choques elétricos são verdadeiros riscos e o que muitas pessoas não sabem é que eles podem levar à morte. De acordo com Anuário Estatístico ... Leia mais.

Covid-19 causa impacto expressivo na confiança do consumidor em março
O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 7,6 pontos em março, para 80,2 pontos, o menor valor desde j... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Desoneração da folha de pagamento influencia queda do custo da construção em julho


O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com a Caixa Econômica Federal, teve queda de 6,15% em julho. A variação ficou 13,95 pontos percentuais abaixo da taxa de junho. De acordo com os analistas, o resultado do mês reflete a desoneração da folha de pagamento.
Desta forma, considerando o período de janeiro a julho, a variação acumulada está em -2,30%, enquanto no mesmo período de 2012 havia ficado em 3,56%. Já em relação ao resultado dos últimos 12 meses, o valor passou para -0,30%, ficando 6,84 pontos percentuais abaixo dos 6,54% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

O custo nacional da construção por metro quadrado, que em junho havia sido de R$ 890,76, caiu para R$ 835,95 no último mês, sendo R$ 461,43 relativos aos materiais e R$ 374,52 à mão de obra. A parcela dos materiais teve variação de 0,12%, subindo 0,02 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,10%), já a mão de obra teve variação de -14,68%, caindo 12,69 pontos percentuais em relação a junho (1,80%). De janeiro a julho os acumulados são 1,68% (materiais) e -6,80% (mão de obra), enquanto em 12 meses ficaram em 3,09% (materiais) e -4,18% (mão de obra).

A região Sudeste, com variação de -6,81%, apresentou a maior queda em julho. Os demais resultados foram: -5,98% (Norte), -5,84%(Nordeste), -6,32% (Sul) e -4,23%(Centro-Oeste).

Os custos regionais, por metro quadrado, ficaram em R$ 833,78 (Norte); R$ 780,36 (Nordeste), R$ 875,25 (Sudeste); R$ 849,48 (Sul) e R$ 847,13 (Centro-Oeste). A Região Centro-Oeste tem a maior variação nos últimos doze meses: 1,67%.

Devido à pressão exercida pelo reajuste salarial decorrente de acordo coletivo, Goiás registrou a menor queda entre os estados, com taxa mensal de -1,07%.