banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Somando R$ 49,6 bilhões, crédito imobiliário teve melhor desempenho semestral da história


Superando as projeções divulgadas pela Associação Brasileiras das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) de alta de 15%, o crédito imobiliário com recursos da poupança teve o melhor resultado semestral da história do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) desde o início do plano real, somando R$ 49,6 bilhões. Quando comparado ao mesmo período do ano passado, o volume teve alta de 34%.
No primeiro semestre do ano, a diferença entre depósitos e retiradas das cadernetas de poupança foi positiva em quase R$ 20 bilhões. O valor supera em 60% a quantia registrada no mesmo período do ano anterior.
Ainda segundo levantamento, o mês que apresentou maior crescimento foi junho, com alta de 51% em comparação ao mesmo mês do ano passado. Junho, aliás, bateu recordes na captação líquida da poupança e teve o melhor desempenho desde 1995, fechando o semestre com R$ 6,7 bilhões. Para a Abecip, o recorde se deve principalmente às operações de aquisição de imóveis, que, no último semestre, cresceram 45% em relação ao mesmo período do ano passado, com R$ 35,4 bilhões destinados à compra de imóveis.
De acordo com o presidente da entidade, Octavio de Lazari Junior, o primeiro semestre de 2013, no entanto, foi atípico. Apesar de manter a projeção de crescimento para no ano, Lazari Junior acredita que o setor deve sofrer uma desaceleração na segunda metade do ano. "O primeiro semestre deste ano foi um período fora da curva, pois houve uma transferência de projetos que seriam lançados no fim do ano passado para o começo de 2013", explicou.