banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Empresários da construção estão mais otimistas em agosto, segundo SindusCon-SP e FGV


O otimismo dos empresários do setor com relação ao desempenho de suas construtoras nos próximos meses aumentou 1,7% em agosto em comparação a julho. Nos três últimos meses, outro segmento que registrou melhora foi os custos setoriais, que apresentou alta de 9% em relação ao igual período anterior. Os dados são da 56ª Sondagem Nacional da Indústria da Construção Civil, divulgada nesta terça-feira (17) pelo Sindicato da Indústria da Construção de São Paulo (SindusCon-SP) e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Em contrapartida, no acumulado de doze meses, o levantamento apresenta queda de 2,3% no otimismo dos empresários para os próximos meses. Além disso, a percepção com relação ao desempenho das empresas teve com declínio de 0,6% em relação ao trimestre anterior e de 3,1% na comparação interanual.
De acordo com a pesquisa, outro indicador que manteve a tendência de piora foi o de dificuldades financeiras, que chegou a 51,8 pontos. Nesse caso, em particular, valores abaixo de 50 significam dificuldades menores.
O pessimismo dos empresários com relação às perspectivas da economia se também se aprofundou. No levantamento de agosto, o indicador caiu 27,2% comparado ao trimestre anterior e 27,9% em 12 meses. No Estado de São Paulo, a queda foi ainda mais expressiva: 31% no comparativo com o trimestre anterior e de 32% em 12 meses.