banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Programa de Aceleração do Crescimento 2 já aplicou R$ 583 bilhões em obras


O Ministério do Planejamento divulgou nesta terça-feira (18) que a segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2) já aplicou R$ 583 bilhões em infraestrutura de energia, logística, social e urbana até 30 de dezembro de 2013. O resultado representa uma alta de 19,4% frente ao balanço anterior, divulgado em outubro do ano passado. Este é o terceiro levantamento da segunda fase do programa.
Com isso, o Governo Federal implantou 82,3% das ações previstas e gastou 76,1% do orçamento do período entre 2011 e 2014. Em 2013, o investimento ficou na marca de R$ 301 bilhões, 12% maior do que no ano anterior. Em termos globais, considerando a primeira fase do programa, foram R$ 773,4 bilhões de investimento até 31 de dezembro do ano passado.
Pelo levantamento, das obras previstas, 43% estão concluídas. Outros 46% estão em ritmo adequado, 7% merecem atenção e 4% estão em situação preocupante. A segunda fase do PAC 2 tem prazo final em dezembro de 2014.
Do valor total de execução do programa, R$ 206,7 bilhões foram executados pelas empresas estatais e R$ 146,4 bilhões pelo setor privado. Os recursos do Orçamento Geral da União somaram R$ 78,9 bilhões, o Programa Minha Casa, Minha Vida representa R$ 73,9 bilhões e o financiamento ao setor público, R$ 11,4 bilhões. Outros R$ 253,8 bilhões correspondem ao financiamento habitacional.