banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Para indústria de material de construção, junho foi regular


O termômetro mensal divulgado na segunda-feira (7) pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) indica que o setor avaliou como "regulares" as vendas em junho.

Conforme o levantamento, 52% das empresas indicou essa resposta, enquanto apenas 15% apontaram que as vendas foram boas no mês passado.

Segundo a entidade, a última medição do primeiro semestre "mantém na média números similares, em comparação a maio, que apresentou vendas regulares para 35% das empresas, boas para 32% e muito boas para 2%".

Em relação a julho, 55% das empresas esperam que as vendas se mantenham regulares, mas há alguma melhora no ânimo da indústria na comparação com junho: 20% apontaram que o mês poderá ser bom para os negócios. Por outro lado, 20% das empresas esperam vendas ruins e 5%, muito ruins.

O levantamento aponta ainda que, no mês passado, 60% das fabricantes de materiais de construção disseram que pretende investir nos próximos 12 meses, uma queda de 12 pontos percentuais em relação a junho de 2013.

O presidente da Abramat Walter Cover, afirmou que os números do termômetro refletem "um cenário de exagerado pessimismo, uma vez que as variáveis inflação, renda e emprego continuam positivas, embora com alguma desaceleração".

"O setor espera uma melhoria na confiança no segundo semestre", afirmou Cover, em nota.

Da Redação, original Folha de S. Paulo.