banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Crédito imobiliário cai em junho, mas previsão de alta é mantida para 2014


O volume de empréstimos para aquisição e construção de imóveis alcançou R$ 53,1 bilhões no primeiro semestre deste ano, volume 7% maior que o registrado no mesmo período de 2013, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Em junho, no entanto, foram desembolsados R$ 9 bilhões em crédito imobiliário, uma queda de 19% na comparação com o mesmo mês de 2013 e recuo de 7% em relação a maio.
O motivo da queda, segundo o presidente da Abecip, Octavio de Lazari Junior, foi a diminuição do número de dias de trabalho devido ao carnaval tardio e à Copa do Mundo. "No mês de junho o mercado parou", disse Lazari, destacando a comparação com o mesmo período do ano passado, em que foi registrado o maior volume mensal dos últimos 20 anos, de R$ 11,2 bilhões.
Em 12 meses até junho deste ano, o volume de empréstimos para aquisição e construção de imóveis, com recursos das cadernetas de poupança do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), alcançou R$ 112,7 bilhões, superando em 18% o apurado nos 12 meses precedentes.
Segundo a Abecip, foram financiadas 42,4 mil unidades em junho, recuo de 8% ante maio. No primeiro semestre, foram 256,1 mil imóveis, volume 4,6% superior ao registrado no mesmo período de 2013. A poupança continua com captação líquida positiva em junho, com depósitos superando os saques em R$ 2,54 bilhões.
Lazari afirma que há volume de recursos suficiente para sustentar os financiamentos imobiliários com tranquilidade até o final do ano que vem, com base no desempenho da captação da poupança, cujo saldo está em R$ 490 bilhões. "Dependendo de quanto a poupança crescer, teremos recursos para sustentar ainda todo o primeiro semestre de 2016", afirma.
Ainda de acordo com o presidente, a projeção de 15% para o crescimento do crédito imobiliário neste ano, alcançando montante de R$ 125,6 bilhões, foi mantida. "Temos bastante crença de que o segundo semestre será melhor. A recuperação deve acontecer já no terceiro trimestre", acrescenta.