banner_fornecedores

Queda da atividade industrial se intensifica em abril, apura sondagem da CNI
De acordo com a Sondagem Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), os efeitos causados pela pandemia de coronavírus sobre a in... Leia mais.

Monitor do PIB aponta retração de 1,0% na economia no primeiro trimestre
O Monitor do PIB-FGV aponta, na análise da série dessazonalizada, retração de 1,0%, na atividade econômica no primeiro trimestre, na compara... Leia mais.

Indústria tem queda de 4,7% em abril sobre o mesmo mês de 2019
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulga nesta segunda-feira (18 de maio), a nova edição da sua pes... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Bons ventos para a compra de imóveis em um futuro próximo


As vendas de imóveis entre janeiro e agosto deste ano tiveram uma queda de 48,8% na cidade de São Paulo em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo dados do Secovi, em 2014 foram vendidos 11.587 imóveis na cidade.

A economia de São Paulo pode ser considerada um dos termômetros no país e somente no mês de agosto 1.797 imóveis novos foram vendidos, o que, no entanto, também representou uma indicação de queda. Em agosto do ano passado haviam sido vendidos 3.464 imóveis. Ou seja, uma baixa de 48%.

O Valor Global de Vendas (VGV) também sentiu o recuo e teve uma redução de 40% em relação ao volume de vendas de agosto do ano passado.

As possíveis justificativas para a retração vão desde a desaceleração econômica devida à Copa do Mundo até o clima de desconfiança que sempre precede as eleições.

Seja como for, para o consumidor, não resta dúvida de que a melhor atitude a tomar, a esta altura do campeonato, é esperar (se isso for possível). Há uma tendência de que os preços recuem devido à queda nas vendas.

Não é novidade que os preços dos imóveis estiveram altos demais por causa da especulação imobiliária. Por isso, a tendência é que os preços fiquem mais acessíveis gradativamente e que, em paralelo, as construtoras comecem a dar descontos.

Além disso, tudo indica que as instituições bancárias manterão o crédito disponível para o financiamento de casas próprias. Portanto, bons ventos devem soprar.

Da Redação, original Folha de S. Paulo.