banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Custo da construção paulista apresenta estabilidade em novembro


O CUB (Custo Unitário Básico) da construção civil do Estado de São Paulo, calculado sobre as obras não incluídas na desoneração da folha de pagamentos, registrou estabilidade em novembro, com acréscimo de 0,02% em relação a outubro. Calculado pelo SindusCon-SP e pela FGV (Fundação Getulio Vargas), o CUB é o índice oficial que reflete a variação dos custos das construtoras para a utilização nos reajustes dos contratos de obras.

Em novembro, os custos com mão de obra apresentaram estabilidade em relação ao mês anterior; os custos com materiais de construção indicaram alta de 0,06% e os salários dos engenheiros tiveram estabilidade. A média ponderada entre os três itens resultou na variação de 0,02% do CUB representativo da construção paulista (RN-8), que em novembro ficou em R$ 1.169,24 por metro quadrado.

No acumulado de 2014, o CUB paulista acumula alta de 6,34%. Em 12 meses, o indicador apresenta avanço de 6,40%.

Quanto às obras incluídas na desoneração da folha de pagamentos, o CUB também apresentou estabilidade (com leve alta de 0,02%) em novembro, totalizando R$ 1.087,69 por metro quadrado. Os custos com mão de obra apresentaram estabilidade, os custos com materiais de construção subiram 0,06%, enquanto os salários dos engenheiros também indicaram estabilidade. No acumulado de 2014, o índice aumentou 6,22%.

Em novembro, apenas um dos 27 insumos da construção pesquisados apresentou variação de custo acima do IGP-M do mês, que registrou alta de 0,98%.