banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Caixa aumenta taxas de juros para financiamentos de imóveis


A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira (15) o aumento das taxas de juros do financiamento imobiliário para as operações realizadas a partir da próxima segunda-feira (19). Não sofrerão o reajuste apenas os financiamentos habitacionais contratados com recursos do programa federal Minha Casa, Minha Vida (MCMV) e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).
De acordo com o banco, a correção se deve ao aumento da taxa básica de juros, que atualmente é de 11,75%, e irá afetar quem tem imóveis residenciais contratados com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE), sem utilizar verba do FGTS, e renda acima de R$ 5,4 mil.
Pelo Sistema de Financiamento Habitacional (SFH), que financia imóveis de até R$ 750 mil com recursos do FGTS e da poupança, a taxa de juros permanece em 9,15% para quem não é cliente e passa de 8,75% para 9% para os clientes do banco. Já pelo Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), que financia imóveis com valor acima de R$ 750 mil, a taxa de juros anual passará de 9,2% para 11% para os não-clientes, e de 9,10% para 10,70% para os clientes.
Também sofrem reajustes as taxas de juros para financiamentos contratados por servidores e clientes que possuem conta salário na Caixa. Para mais informações, clique aqui. Vale lembrar que os juros da Caixa para habitação costumam ser os menores no mercado e servem como referência para os demais bancos.
Para Claudio Bernardes, presidente do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), o aumento nas taxas do crédito imobiliário diminui o potencial de compra. “Quando se reduz os juros, mais pessoas são incluídas no mercado de imóveis. Se há aumento, ocorre o inverso: mais pessoas são colocadas para fora dele”, diz.
A entidade espera que o governo crie incentivos, a fim de compensar a dificuldade gerada pela alta dos juros.