banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Otimismo da indústria de materiais de construção tem leve alta em fevereiro, diz Abramat


A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulgou nesta terça-feira (3) o termômetro que analisa a percepção do mercado em relação às vendas de materiais de construção. Para 62% das empresas pesquisadas, o mês de janeiro teve vendas regulares, enquanto para 19% as vendas foram boas e para 8% ruins. Classificaram o primeiro mês do ano como um período muito ruim para os negócios 8% das empresas.
Já para fevereiro, a pesquisa indica avanço do otimismo da indústria: 55% dos associados estimam vendas regulares (contra 53% na última pesquisa), 25% acreditam em boas vendas e 17% projetam um período ruim. Em janeiro, esses números estavam em 24%. Por outro lado, 3% dos associados esperam que fevereiro seja um mês muito ruim para os negócios.
Em relação à intenção de investimentos da indústria de materiais, o levantamento mostra que 56% das empresas pretendem investir nos próximos 12 meses. Em dezembro, 59% da indústria tinham intenção de investir e, em janeiro do ano anterior, 71% das empresas pretendiam fazer investimentos.
Para o presidente da Abramat, Walter Cover, "a expectativa dos empresários da indústria de materiais nesse inicio de ano é compatível com a atual previsão de crescimento em 2015, de 1%". O termômetro da associação também apontou que apenas 6% das empresas associadas estão otimistas com relação às ações do governo para o setor.