banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Terceira fase do Minha Casa, Minha Vida irá priorizar moradias em cidades grandes


A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta quarta-feira (25) que a terceira etapa do Minha Casa, Minha Vida (MCMV), com lançamento previsto para março, irá priorizar as cidades grandes. A nova fase do programa federal de habitação social tem como meta construir três milhões de habitações com investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), alcançando a marca de 6,7 milhões de moradias contratadas.
O anúncio foi feito durante a cerimônia de entrega de 922 unidades da segunda fase do programa em Feira de Santana, na Bahia. "Do MCMV 1 para o 2, nós colocamos piso, janela, aumentamos o tamanho dos apartamentos. Agora nós vamos focar num dos maiores desafios que é construir nas cidades grandes, como Feira de Santana", exemplificou a presidente.
De acordo com a nova presidente da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior, o banco reafirma em sua gestão o compromisso do governo federal de construir as novas moradias previstas para a terceira fase, além das 2,75 milhões de unidades já contratadas em todo o país até o final de dezembro de 2014.
A previsão é de que o programa receba R$ 19,3 bilhões de recursos, de acordo com a Lei Orçamentária Anual 2015 enviada pelo Governo Federal ao Congresso Nacional. O MCMV é o eixo do PAC que vai receber o maior volume de recursos e terá 23% a mais que o previsto para 2014, quando o orçamento destinou R$ 15,77 bilhões ao programa habitacional.