banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Pretensão de investimento da indústria de materiais de construção é a menor desde 2010, diz Abramat


A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulgou na última segunda-feira (9) o termômetro que analisa a percepção do mercado em relação às vendas de materiais de construção. Para 61% das empresas pesquisadas, o mês de fevereiro teve vendas regulares, enquanto para 11% as vendas foram boas e para 22% foram ruins. Classificaram o segundo mês do ano como um período muito ruim para os negócios 6% das empresas.
Para março, a pesquisa indica leve avanço do otimismo da indústria: 61% dos associados estimam vendas regulares, 25% acreditam que as vendas serão boas e 14% projetam um período ruim. Nenhuma das empresas pesquisadas acredita que março será um mês muito ruim para os negócios.
Em relação à pretensão de investimentos da indústria de materiais, o levantamento mostra que 47% das empresas pretendem aplicar recursos nos próximos 12 meses. Esta é a primeira vez desde janeiro de 2010 que o percentual ficou abaixo de 50%.
Para o presidente da Abramat, Walter Cover, os principais indicadores da indústria de materiais estão pessimistas. Segundo ele, a recuperação do setor exige a adoção urgente de medidas em favor da competitividade e de estímulo ao investimento.
O termômetro de março apresenta aumento no pessimismo das expectativas em relação ao governo. No período, 50% das indústrias informaram que estão pessimistas para os próximos 12 meses, resultado 11% maior do que o registrado em fevereiro.