banner_fornecedores

Indústria de material de construção tem fevereiro regular, apura Abramat
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) acaba de divulgar a nova edição do Termômetro da Indústria de Mate... Leia mais.

Mortes por choques elétricos aumentam 12% no Brasil, apura Abracopel
Choques elétricos são verdadeiros riscos e o que muitas pessoas não sabem é que eles podem levar à morte. De acordo com Anuário Estatístico ... Leia mais.

Covid-19 causa impacto expressivo na confiança do consumidor em março
O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 7,6 pontos em março, para 80,2 pontos, o menor valor desde j... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Empresas de pré-fabricados de concreto pretendem investir mais em 2015 do que ano passado, diz FGV


A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou na última quarta-feira (18) uma pesquisa que revela que 44% das empresas do segmento de pré-fabricados de concreto investiram em 2014 mais do que em 2013, enquanto 32,6% investiram menos. Do total de aplicações feitas durante o ano, considerando que as empresas podiam informar mais de uma opção, 78% foram destinadas à compra de equipamentos para produção; 53% para a ampliação da área de produção; 41,5% para a infraestrutura de equipamentos; 36,6% para as áreas de estocagem; e 34,1% para galpões e obras civis.
Em relação à Sondagem de Expectativas da Indústria de Pré-fabricados de Concreto, o levantamento mostra que 31,1% das empresas planejam investir mais em 2015 do que no ano passado, enquanto 15,6% pretendem reduzir as aplicações.
Entre as incertezas apontadas quanto à intenção de investimento dos empresários, 76% mencionaram dúvidas sobre a demanda; 60% sobre política econômica; 52% sobre as limitações de recursos das empresas; 48% sobre carga tributária; 36% sobre custo de financiamento; e 20% sobre escassez de mão de obra.
No que diz respeito ao nível de emprego gerado pelo segmento de pré-fabricado, a sondagem da FGV registrou, com base em dados de 2013, que a indústria empregava 12.066 pessoas, 1,5% do contingente da indústria da construção civil como um todo e 9,2% do segmento de fabricação de artefatos de concreto. Na comparação com o ano anterior, houve uma queda de 9% no número de trabalhadores por empresa, que passou de 295 em 2012 para 268 em 2013. Na média, 33% das empresas possuíam até 100 empregados; 53% delas registravam entre 101 e 500 trabalhadores, e 14% contavam com mais de 500 funcionários. 

A produção total do segmento alcançou em 2014 a marca de 1.063 milhão de m3 em estruturas pré-moldadas, mantendo estabilidade em relação ao ano anterior, sendo que 59,5% da produção foi de concreto protendido e 40,5% de concreto armado. Já a capacidade instalada do segmento é da ordem de 1,6 milhão de m3.
Dos segmentos da construção civil em que foram utilizadas as estruturas pré-fabricadas de concreto no ano passado, a área de shopping centers, que em 2013 aparecia em segundo lugar, assumiu a liderança. Na sequência, aparecem indústrias, que era líder em 2013, seguida da área de infraestrutura e obras especiais. O ranking de 2014 é completado ainda por centros de distribuição e logística, edifícios comerciais, obras para a área de varejo e, por último, o segmento habitacional.