banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Governo Federal discute com empresários da construção mudanças para a terceira fase do Minha Casa, Minha Vida


O Governo Federal deu início na última segunda-feira (16) às discussões com empresários da construção civil para formatar a terceira fase do Minha Casa, Minha Vida (MCMV), que deverá ser lançada até o fim do ano. Farão parte dos grupos de trabalhos criados para debater as novas diretrizes para o programa habitacional representantes de entidades como a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).
De acordo com o ministro do Planejamento Nelson Barbosa, a terceira etapa do MCMV terá uma nova modalidade, chamada Faixa 1 FGTS, que combinará os inventivos das Faixas 1 e 2 para aumentar o público com acesso ao programa e incluir famílias com renda entre R$ 1,6 mil e R$ 1,8 mil. Atualmente, estão disponíveis as faixas que atendem famílias com rendimento mensal de até R$ 1,6 mil; de R$ 1,6 mil a R$ 3,275 mil; e de R$ 3,275 mil a R$ 5 mil.
Com meta de três milhões de moradias contratadas até o fim de 2018, somando um total de 6,75 milhões de unidades contratadas pelas três fases do programa, a terceira etapa também poderá ter a possibilidade de o trabalhador usar as cotas no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) como parte do pagamento dos imóveis.
Outra mudança para o MCMV 3 será a priorização de grandes cidades, que deverão receber maior número de contratações. O anúncio foi feito em fevereiro pela presidente Dilma Rousseff, que citou como exemplo a cidade de Feira de Santana, na Bahia.
A previsão é de que o programa receba R$ 19,3 bilhões de recursos, de acordo com a Lei Orçamentária Anual 2015 enviada pelo Governo Federal ao Congresso Nacional. O MCMV é o eixo do PAC que vai receber o maior volume de recursos e terá 23% a mais que o previsto para 2014, quando o orçamento destinou R$ 15,77 bilhões ao programa habitacional.