banner_fornecedores

Atividade industrial se aproxima do nível pré-pandemia, revela CNI
A atividade industrial continuou em trajetória de recuperação em julho. Com o novo aumento, os índices de faturamento, horas trabalhadas na ... Leia mais.

Pesquisa revela a expectativas de consumo
Com data marcada para 27 de novembro - menos de um mês antes do Natal - a Black Friday 2020 promete movimentar o varejo. No ano passado, a d... Leia mais.

Vendas no varejo crescem 5,2% em julho e têm a terceira alta seguida no ano
O volume de vendas do varejo cresceu 5,2% em julho em relação ao mês anterior, após a alta recorde de 13,3% em maio e de 8,5% em junho. Esse... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Caixa aumenta taxa de juros para financiamento de imóveis pela segunda vez no ano


A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira (16) o aumento de 0,3% nas taxas de juros para financiamento de imóveis residenciais com valor de até R$ 650 mil contratados com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE) no âmbito do Sistema Financeiro de Habitação (SFH). O ajuste, que não altera as taxas para financiamentos com recursos do Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), é o segundo realizado este ano.
De acordo com o banco, a correção se deve ao aumento das taxas básicas de juros e é válida para financiamentos concedidos a partir do dia 13 de abril. As alterações compreendem as seguintes altas: Taxa de Balcão, de 9,15% para 9,45%; Relacionamento, de 9% para 9,30%; Relacionamento (mais salário), de 8,70% para 9%; Servidor (com relacionamento), 8,70% para 9%; e Servidor (com relacionamento e salário), de 8,50% para 8,80%.
Para o Diretor Executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, a alta no financiamento de crédito pode impactar nos juros praticados pelas outras instituições bancárias. "Este movimento deverá ser seguido pelos demais bancos, já que a Selic vem apresentando elevação, frente a um ambiente de maior inflação", explicou.
Também sofreu ajuste o limite para a fatia do imóvel que pode ser financiada pelo banco. Os clientes que financiavam pela tabela SAC, com parcelas maiores no começo, poderão financiar até 80% do imóvel, e não mais 90%. Já os contratos pela tabela Price tiveram limite de financiamento reduzido de 90% para 50%.
Em nota, a Caixa afirmou que, mesmo com o ajuste, continuará oferecendo as melhores taxas para financiamento de imóveis enquadrados no SFH.