banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Maioria dos executivos acredita em melhora do mercado imobiliário em 2016, diz Abrainc


Uma sondagem realizada pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) durante reunião bimestral de seu Conselho Deliberativo, na última semana, constatou que 67% dos executivos de incorporadoras de capital aberto e/ou presença nacional acreditam que em 2016 as vendas deverão ser maiores que as realizadas em 2014 e neste ano.

Em relação aos lançamentos imobiliários, 79% das empresas apostam que o volume de oferta será igual ou menor ao realizado em 2014, contra 57% registrado na apuração de fevereiro. De acordo com a Abrainc, o setor deve centralizar seus esforços na comercialização das unidades em estoque, o que representará boas oportunidades para os compradores.

Em nota, a entidade afirma que "para os empresários, o cenário econômico ruim, as últimas determinações governamentais visando ao ajuste fiscal e a movimentação da Caixa Econômica Federal elevando por duas vezes os juros para o financiamento habitacional estão contribuindo para a piora do cenário do setor. Entretanto, o fator que mais está impactando está atrelado à queda da atividade econômica e, consequentemente, a insegurança da população em relação à manutenção do emprego".

O Conselho Deliberativo da Abrainc se reúne a cada dois meses para discutir produtividade, modelo de negócios, desburocratização e relacionamento com o mercado imobiliário.