banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Pela primeira vez, compradores esperam queda dos preços dos imóveis nos próximos 12 meses


Pela primeira vez desde o início da série, 55% dos entrevistados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e pelo portal ZAP Imóveis declararam esperar queda de preços dos imóveis nos próximos 12 meses. A variação média para o período passou a ser de -6,2% no primeiro trimestre de 2015 contra a de -4,7% aguardada no último trimestre do ano passado. Os dados são do Raio-X FipeZap divulgado nesta quinta-feira (21).
O levantamento também mostra que 75% dos compradores de imóveis dos últimos 12 meses julgam que o preço atual está caro ou muito caro.
Em relação à intenção de compra de imóveis para os próximos três meses, o balanço aponta que nos três primeiros meses do ano 48% dos entrevistados pretendiam adquirir unidades no trimestre. O resultado mantém estabilidade em comparação com os últimos três meses e representa queda de 8% em relação ao mesmo período de 2014.
Ao final do primeiro trimestre desse ano o desconto médio das operações realizadas nos últimos 12 meses estava em 7,5%, ante uma média histórica de 7%. Além disso, a parcela de investidores do mercado imobiliário caiu novamente ao longo do primeiro trimestre, atingindo um total de 37% no acumulado de 12 meses. Essa é a menor participação de investidores da série histórica e, segundo o balanço, a queda se deve, principalmente, à redução da participação dos investidores que pretendem revender o seu imóvel.