banner_fornecedores

Queda da atividade industrial se intensifica em abril, apura sondagem da CNI
De acordo com a Sondagem Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), os efeitos causados pela pandemia de coronavírus sobre a in... Leia mais.

Monitor do PIB aponta retração de 1,0% na economia no primeiro trimestre
O Monitor do PIB-FGV aponta, na análise da série dessazonalizada, retração de 1,0%, na atividade econômica no primeiro trimestre, na compara... Leia mais.

Indústria tem queda de 4,7% em abril sobre o mesmo mês de 2019
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulga nesta segunda-feira (18 de maio), a nova edição da sua pes... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Crédito para casa própria cresceu 24,6% nos últimos 12 meses


Os financiamentos da Caixa Econômica para compra da casa própria aumentaram de 24,6% nos últimos 12 meses – de abril de 2014 a março deste ano. Assim, o volume de crédito habitacional atingiu R$ 356,2 bilhões, mantendo a instituição na liderança do mercado com 68,2% das operações imobiliárias.

Os números constam do balanço contábil do primeiro trimestre de 2015, divulgado na quarta-feira (3). A Caixa Econômica registrou um lucro trimestral de R$ 1,5 bilhão, o mesmo patamar alcançado nos três primeiros meses do ano passado.

No Minha Casa Minha Vida, foram contratados R$ 11,1 bilhões, nos primeiros três meses do ano, totalizando 102,6 mil unidades habitacionais. Dessas, 2,4% foram destinadas à chamada “faixa 1”, que atende os beneficiários com renda de até R$ 1,6 mil, em modalidades integralmente subsidiadas pelo programa.

No primeiro trimestre, as contratações de crédito habitacional somaram R$ 27,1 bilhões, sendo R$ 10,7 bilhões com dinheiro do Fundo Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), R$ 16,3 bilhões com recursos da Caixa (cadernetas de poupança) e R$ 88 milhões com outras fontes de financiamento.

Em março, a Caixa Econômica chegou ao número de 80,2 milhões de correntistas e poupadores, um crescimento de 8,7% em 12 meses e 2,3% em relação ao último trimestre de 2014. A carteira de clientes pessoas físicas atingiu 78 milhões, e a de pessoas jurídicas, 2,1 milhões.

Da Redação, original Portal Brasil.