banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Alta do custo da construção volta a desacelerar em setembro, diz FGV


O Índice Nacional de Custo da Construção - M (INCC-M) registrou variação de 0,22% em setembro, ficando abaixo do resultado do mês anterior, de 0,80%, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (25) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).
O indicador relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,46% em setembro contra 0,27% em agosto. A parcela que se refere aos Materiais e Equipamentos variou 0,34% na comparação com o mês anterior, quando a taxa foi de 0,19%. Já a parcela referente aos Serviços passou de 0,58% em agosto para 0,29% em setembro.
O índice referente à Mão de Obra, por sua vez, não registrou variação em setembro. No mês anterior, a taxa havia sido de 1,27%.
Apresentaram desaceleração as cidades de Brasília (de 3,04% para 0%); Recife (de 0,02% para -0,18%); Rio de Janeiro (de 0,23% para -0,02%); e Porto Alegre (de 3,43% para 0,21%). Em contrapartida, Salvador (de -0,08% para 0,18%); Belo Horizonte (de 0,24% para 0,30%); e São Paulo (de 0,14% para 0,36%) registraram aceleração.
No acumulado do ano, o INCC-M apresenta alta de 6,38%, sendo que em Materiais, Equipamentos e Serviços a variação foi de 4,91% e em Mão de Obra de 7,7%. Já nos últimos 12 meses o crescimento é de 7,19%, com taxas de 6,06% em Materiais, Equipamentos e Serviços e 8,2% em Mão de Obra.