banner_fornecedores

Indústria de material de construção tem fevereiro regular, apura Abramat
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) acaba de divulgar a nova edição do Termômetro da Indústria de Mate... Leia mais.

Mortes por choques elétricos aumentam 12% no Brasil, apura Abracopel
Choques elétricos são verdadeiros riscos e o que muitas pessoas não sabem é que eles podem levar à morte. De acordo com Anuário Estatístico ... Leia mais.

Covid-19 causa impacto expressivo na confiança do consumidor em março
O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 7,6 pontos em março, para 80,2 pontos, o menor valor desde j... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Pela terceira vez no ano, Caixa eleva taxas de juros para financiamento de imóveis


A Caixa Econômica Federal anunciou nesta terça-feira (22) a terceira elevação no ano das taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais, comerciais e mistos contratadas com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). As mudanças, que não afetarão os financiamentos habitacionais feitos com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), entrarão em vigor no dia 1º de outubro.
De acordo com a Caixa, as alterações serão válidas para o Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e para o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).
As alterações compreendem as seguintes altas para financiamento residencial por SFH: Taxa de Balcão, de 9,45% para 9,90%; Relacionamento, de 9,30% para 9,80%; Relacionamento (mais salário), de 9% para 9,50%; Servidor (com relacionamento), de 9% para 9,50%; e Servidor (com relacionamento e salário), de 8,80% para 9,30%.
Já para o financiamento residencial por SFI as alterações compreendem as altas: Taxa de Balcão, de 11% para 11,50%; Relacionamento, de 10,7% para 11,20%; Relacionamento (mais salário), de 10,50% para 11%; Servidor (com relacionamento), de 10,50% para 11%; e Servidor (com relacionamento e salário), de 10,20% para 10,50%.