banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Pela terceira vez no ano, Caixa eleva taxas de juros para financiamento de imóveis


A Caixa Econômica Federal anunciou nesta terça-feira (22) a terceira elevação no ano das taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais, comerciais e mistos contratadas com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). As mudanças, que não afetarão os financiamentos habitacionais feitos com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), entrarão em vigor no dia 1º de outubro.
De acordo com a Caixa, as alterações serão válidas para o Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e para o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).
As alterações compreendem as seguintes altas para financiamento residencial por SFH: Taxa de Balcão, de 9,45% para 9,90%; Relacionamento, de 9,30% para 9,80%; Relacionamento (mais salário), de 9% para 9,50%; Servidor (com relacionamento), de 9% para 9,50%; e Servidor (com relacionamento e salário), de 8,80% para 9,30%.
Já para o financiamento residencial por SFI as alterações compreendem as altas: Taxa de Balcão, de 11% para 11,50%; Relacionamento, de 10,7% para 11,20%; Relacionamento (mais salário), de 10,50% para 11%; Servidor (com relacionamento), de 10,50% para 11%; e Servidor (com relacionamento e salário), de 10,20% para 10,50%.