banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Indústria de materiais de construção está mais otimista para o início de 2016, estima Abramat


O termômetro divulgado na última semana pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) indica que 58,8% dos empresários da indústria de materiais de construção estimam vendas regulares em janeiro de 2016.
Outros 23,5% esperam vendas ruins no período, enquanto 5,9% preveem um cenário muito ruim para o primeiro mês do ano. O otimismo de boas vendas foi escolha de 11,8%, o número é seis pontos percentuais maior que o apresentado no mês anterior.
Para dezembro, 47,1% das empresas esperam vendas regulares; também 47,1% estimam negócios ruins; e 5,8% preveem boas vendas. 

Ainda segundo o levantamento, nenhuma empresa tem boas expectativas em relação às ações do Governo Federal para o setor da construção civil nos próximos 12 meses. Quanto aos investimentos, a pesquisa mostra que apenas 35% das indústrias pretendem investir ao longo do próximo ano.
De acordo com o presidente da Abramat, Walter Cover, "não há uma mudança significativa na opinião dos empresários de materiais de construção sobre as perspectivas de mercado. Tão preocupante com o desanimo quanto as vendas é que a confiança nas ações do governo e a pretensão de investir estão no mais baixo nível histórico da entidade". "É fundamental o Congresso aprovar com urgência o ajuste econômico e o Executivo apresentar um projeto de reformas estruturais - Previdência e Tributária principalmente - bem como um plano de recuperação econômica com ênfase no investimento e nas exportações", disse.