banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Custo da construção tem nova desaceleração em maio, segundo FGV


O Índice Nacional de Custo da Construção-M (INCC-M) registrou variação de 0,19% em maio, de acordo com pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (IBRE-FGV) na última quarta-feira (25). O valor é inferior àquele do mês de abril, de 0,41%.
O grupo Materiais, Equipamentos e Serviços teve alta de 0,04% no quinto mês de 2016 contra 0,29% no período anterior. A parcela correspondente a Materiais e Equipamentos registrou variação de 0,07% em maio, sendo que em abril a taxa havia sido de 0,28%. Os quatro subgrupos pertencentes à categoria apresentaram decréscimo das taxas de variação: Materiais para Estrutura (de -0,03% para -0,23%), Materiais para Instalação (de 0,43% para 0,21%), Materiais para Acabamento (de 0,79% para 0,52%) e Equipamentos para Transporte de Pessoas (de 0,35% para 0,31%). Em relação aos Serviços, a taxa foi de 0,33% em abril para -0,07% em maio. No grupo, a desaceleração do subgrupo projetos foi a mais intensa, de 0,29% para -0,50%.
Já a mão de obra registrou variação de 0,32%, frente aos 0,52% do mês anterior. Acredita-se que isso se deva ao reajuste salarial registrado na cidade de Salvador.
Entre as capitais pesquisadas, em cinco o INCC-M desacelerou: Salvador (de 2,23% para 1,72%), Brasília (de 0,06% para -0,21%), Belo Horizonte (de 0,96% para -0,07%), Recife (de 0,13% para 0,12%) e Porto Alegre (0,54% para 0,15%). Rio de Janeiro (de 0,04% para 0,05%) e São Paulo (0,04% para 0,07%), por sua vez, registraram aceleração.
O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.