banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Caixa vai financiar imóveis de até R$ 3 milhões


A Caixa Econômica Federal divulgou na última segunda-feira (18) uma alteração nas suas condições de financiamento, que passarão a valer a partir do dia 25 de julho. Entre as principais mudanças, o valor máximo de imóveis que podem ser financiados pelo banco passará de R$ 1,5 milhão para R$ 3 milhões, dentro do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI).
Outra medida a ser alterada é o valor das quotas de financiamento por meio do SFI, que passará de 60% para 70% em imóveis usados e de 70% para 80% na aquisição de imóveis novos, de terreno e construção, de construção em terreno próprio e de reforma e ampliação.
Nas operações com a quitação do financiamento em outra instituição financeira (Interveniente Quitante), a quota passará de 50% para 70%. Ainda haverá um novo modelo de concessão de crédito, que considera aspectos do perfil do cliente, como rating ou menor quota de financiamento. Ele, entretanto, ainda está em estudo, e não tem previsão de lançamento.
As mudanças não afetam as operações do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), que financia a compra de imóveis de até R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Distrito Federal, e de até R$ 600 mil no restante do país. Enquanto o SFH financia imóveis com recursos do FGTS, o SFI financia unidades de maior valor, com recursos de fundos de pensão, fundos de renda fixa, companhias seguradoras e bancos de investimento.