banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Caixa Econômica Federal reabre e amplia o Plano Empresário da Construção Civil


A Caixa Econômica Federal alterou as condições de financiamento habitacional para as operações com recurso de poupança, que passam a valer a partir desta segunda-feira (25). Entre as mudanças, está a reabertura do Plano Empresário da Construção Civil, que estava fechado desde 2015, com recursos estimados em R$ 10 bilhões.
Na modalidade, o financiamento do custo da obra vai diretamente à construtora e, após concluído o empreendimento, a dívida é liquidada por meio de venda e do financiamento de novas unidades.
Na reabertura, o financiamento poderá ser concedido às construtoras para a conclusão de empreendimentos com até 80% de obras executadas. A regra valerá tanto para imóveis enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) quanto no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). O primeiro refere-se a imóveis com valores de até R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e de até R$ 650 mil nos demais estados. O SFI contempla unidades acima desse teto.
O banco ainda reforça que não existe trade off entre habitação de mercado e habitação social, ou seja, não estão sendo direcionados recursos de um segmento a outro.
Outras medidas anteriormente anunciadas pelo banco e que passam a valer hoje são o aumento do valor máximo de financiamento no SFI de R$ 1,5 milhão para R$ 3 milhões, e das quotas de financiamento do sistema. Para a aquisição de imóvel usado, o crescimento foi de 60% para 70%; e para imóveis novos, de 70% para 80%.