banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Diminui pessimismo sobre futuro econômico do País, informa Acrefi


Os brasileiros estão menos pessimistas em relação ao futuro da economia do País, segundo pesquisa da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), realizada pela TNS, empresa de pesquisa de mercado. Levantamento trimestral da entidade divulgado na última quinta-feira (4) aponta um recuo nesse indicador de 12% em março para 6% em junho. A parcela de otimistas, por sua vez, passou de 16% para 18% na mesma base de comparação.

No segundo trimestre também aumentou, para 17%, o número de entrevistados que acreditam em uma melhora da capacidade de financiamento, como carro ou casa. Em igual período do ano passado esse indicador estava em 16%.

Em meio ao acirramento da crise política, a intenção de abrir um novo financiamento imobiliário diminuiu, passando de 54% no primeiro trimestre para 42% no segundo trimestre. No último trimestre de 2015, a intenção de financiamento estava em 44%. A inflação elevada também ajuda a explicar a queda no levantamento mais recente. Nos últimos 12 meses até junho a inflação foi de 8,84%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O pessimismo com relação à oferta de crédito também diminuiu. O porcentual dos que acreditavam que o cenário iria piorar diminuiu de 62% no primeiro trimestre para 57% no segundo trimestre. Na mesma base de comparação, a perspectiva de piora na taxa de juros recuou de 75% para 68%. 

Ao mesmo tempo, entre os entrevistados de maior poder aquisitivo a tendência para entrar em um financiamento cresceu no segundo trimestre, passando de 18% para 27%. Na classe média, essa intenção também aumentou, de 16% para 20%. Já entre as famílias de renda mais baixa, a fatia dos interessados caiu de 15% para 13%.

Foram ouvidas 1.000 pessoas com idade entre 18 e 65 anos, sendo 52% mulheres e 48% homens no período de 27 de junho a 5 de julho.