banner_fornecedores

Queda da atividade industrial se intensifica em abril, apura sondagem da CNI
De acordo com a Sondagem Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), os efeitos causados pela pandemia de coronavírus sobre a in... Leia mais.

Monitor do PIB aponta retração de 1,0% na economia no primeiro trimestre
O Monitor do PIB-FGV aponta, na análise da série dessazonalizada, retração de 1,0%, na atividade econômica no primeiro trimestre, na compara... Leia mais.

Indústria tem queda de 4,7% em abril sobre o mesmo mês de 2019
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulga nesta segunda-feira (18 de maio), a nova edição da sua pes... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Expectativa de vendas de materiais de construção segue regular, indica Abramat


As vendas de materiais de construção em outubro foram regulares, segundo o Termômetro da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção (Abramat) divulgado nesta terça-feira (1º). Isso porque 5,9% das empresas consideraram o desempenho bom, 58,8% regular, 32,4% ruim e 2,9% muito ruim.
Em novembro, porém, a perspectiva é um pouco mais otimista: 2,9% das empresas das empresas esperam um desempenho muito bom e 17,6% bom, número acima do registrado em outubro. Ainda assim, para 58,9% dos entrevistados o resultado será regular e para 20,6% ruim.
"A indústria de materiais de construção vem apresentando vendas regulares desde junho. Nesse ritmo dificilmente a conjuntura será mudada até o final do ano e será um ano com forte queda", analisou o presidente da associação, Walter Cover.
O executivo atribui o baixo desempenho a fatores como o alto índice de desemprego, a queda na renda das famílias, o crédito escasso e a desaceleração do programa habitacional Minha Casa Minha Vida e das obras de infraestrutura.
As expectativas dos empresários das indústrias de materiais sobre as ações do governo, entretanto, aumentaram consideravelmente. Enquanto em setembro a estimativa otimista era de 15%, neste mês ela chega a 41%.
Por outro lado, a pretensão de investimentos a médio prazo caiu. No mês, apenas 44% dos empresários informaram que pretendiam realizar investimentos. A média histórica é de 70%.