banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Indústria de materiais de construção está mais propensa a fazer investimentos, aponta Abramat



O mês de dezembro foi acompanhado de estabilidade na venda de materiais de construção, segundo o Termômetro da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Construção (Abramat) divulgado nesta terça-feira (6). Em novembro, 7,7% dos entrevistados consideraram as vendas boas e 38,5%, regulares. No mês passado, esses números foram de 11,5% e 27%, respectivamente. Para o mês de dezembro, por sua vez, 50% esperam vendas regulares e 3,8%, boas.
O presidente da Abramat, Walter Cover, espera a permanência desse cenário para os próximos meses. "O setor continua em ritmo de queda das vendas, afetado principalmente pelo desemprego crescente e pelas condições desfavoráveis de crédito, com juros muito altos e dificuldade e restrições dos bancos além da desaceleração da infraestrutura e do Programa Minha Casa Minha Vida", analisa.
Assim, as expectativas quanto às ações do governo pioraram. O otimismo do empresariado, que em outubro era de 41%, chegou a 35% em novembro.
O otimismo, porém, apareceu na pretensão de investimentos a médio prazo, que apresentou aumento. No mês de novembro, 58% dos empresários disseram pretender investir nos próximos 12 meses. Em outubro, esse número era de 38%. Do total de pesquisados no último mês, 50% disseram que queriam modernizar os meios de produção e 8%, que desejavam expandir a sua capacidade.