banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Caixa prevê investimento de R$ 80,9 bilhões para habitação


A Caixa Econômica Federal atingiu um lucro de R$ 4,1 bilhões no ano de 2016. No acumulado, o resultado operacional cresceu 272% em relação ao apresentado em 2015, totalizando R$ 4 bilhões, decorrente dos avanços alcançados no resultado da intermediação, nas receitas com serviços, na qualidade da carteira de crédito e em melhorias de eficiência operacional.

"O crescimento do resultado operacional, a redução da inadimplência e o controle de gastos da CAIXA em 2016 são indicativos claros de que o banco está trilhando com firmeza o caminho da melhoria da eficiência", comenta Gilberto Occhi, presidente da CAIXA.

O crédito habitacional alcançou saldo de R$ 406,1 bilhões, um crescimento de 5,6% em 12 meses, o que representa 67% do mercado. As contratações somaram R$ 81,8 bilhões no ano, dos quais R$ 62,9 bilhões com recursos do FGTS, incluindo subsídios, e R$ 17,6 bilhões com recursos do CAIXA/SBPE, além de R$ 1,3 bilhão com outros recursos.

"Esses valores nos garantiram a execução de mais 600 mil unidades contratadas só pela CAIXA e chegamos a 67% da participação do mercado", disse Nelson Souza, vice-presidente de Habitação. Para este ano, a previsão é de que sejam investidos R$ 80,9 bilhões em habitação de mercado e popular.

A caixa fechou 2016 com o índice de inadimplência de 2,88%, abaixo da média do mercado financeiro, que estava em 3,71%. A queda da inadimplência com mais de 90 dias também se refletiu, significativamente, na área de habitação. "Essa redução trouxe índice histórico de 1,63% da inadimplência na habitação", comemorou Souza. 

No ano passado, a entidade injetou R$ 712,5 bilhões na economia brasileira por meio de contratações de crédito, distribuição de benefícios sociais, investimentos em infraestrutura própria, remuneração de pessoal, destinação social das loterias, dentre outros.

"Para o ano de 2017 e 2018, o objetivo da CAIXA é reforçar a melhoria da eficiência, da sustentabilidade [do negócio] e o melhor uso do capital nas operações de crédito, tendo uma carteira de crédito cada vez mais qualificada", afirmou Occhi, durante coletiva de imprensa, realizada na manhã desta terça-feira (28), em São Paulo.