banner_fornecedores

Indústria de material de construção tem fevereiro regular, apura Abramat
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) acaba de divulgar a nova edição do Termômetro da Indústria de Mate... Leia mais.

Mortes por choques elétricos aumentam 12% no Brasil, apura Abracopel
Choques elétricos são verdadeiros riscos e o que muitas pessoas não sabem é que eles podem levar à morte. De acordo com Anuário Estatístico ... Leia mais.

Covid-19 causa impacto expressivo na confiança do consumidor em março
O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 7,6 pontos em março, para 80,2 pontos, o menor valor desde j... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Brasil terá US$ 300 milhões para investimento em obras de energia renovável


O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, em inglês), assinou na última quarta-feira (26), em Brasília, contrato com Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) para financiar US$ 300 milhões para investimento na geração de energia renovável alternativa no Brasil.
Atualmente o País possui 60% de sua geração originando da energia hidrelétrica e, mesmo sendo de uma matriz elétrica renovável, seu sistema fica comprometido a efeitos de mudanças climáticas, como períodos de seca. Assim, o BNDES espera que o financiamento possa ajudar a fomentar a geração de energias alternativas.
Com prazo de 12 anos, carência de três anos e meio e taxa de juros baseada na Libor, o empréstimo tem como estimativa aumentar a capacidade de geração brasileira para 600 MW a partir de biomassa, biogás e resíduos agrícolas, além do incentivo de uso e geração de energia eólica, solar e hidroelétrica (com pequenos centros).
Criado em 2014, o NDB é um banco de desenvolvimento multilateral administrado pelos países componentes do BRICS, com objetivo de promover a cooperação financeira e entre os países emergentes. Desde sua fundação, o NDB já realizou duas operações com a China, totalizando investimento de US$ 379 milhões, duas com a Índia de US$ 600 milhões, uma com a Rússia de US$ 100 milhões e uma operação com a África do Sul de US$ 180 milhões.