banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


SindusCon-SP: Emprego na construção brasileira cresceu 0,74% em abril


O nível de emprego na construção civil brasileira cresceu 0,74% em abril na comparação com março. Com a contratação de 17.030 trabalhadores, o estoque foi de 2.312.636 para 2.329.666. Na comparação com abril de 2017, houve queda de 2,43% (-58.141).

Ao se desconsiderar os efeitos sazonais*, o emprego registrou -0,09% em abril na comparação com março (-2.080).

Os dados são da pesquisa realizada pelo  SindusCon-SP em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), com base em informações do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE).

A elevação do nível de emprego da construção em abril, embora positiva, não revela uma tendência, segundo o presidente do SindusCon-SP, José Romeu Ferraz Neto. “Seguimos com menos trabalhadores empregados, na comparação do acumulado neste ano com o do ano passado. A escassez de novos contratos para a realização de obras e a queda das expectativas para o desempenho do PIB em 2018 mostram que o emprego na construção ainda demorará muito para iniciar uma trajetória consistente de crescimento”, comenta.  

Em abril, na comparação com março, todos os segmentos registraram alta. As maiores altas foram em Infraestrutura (0,93%), Imobiliário (0,91%) e Engenharia e Arquitetura (0,68%).

Na análise de 12 meses, houve queda em quase todos os segmentos, exceto Engenharia e Arquitetura (3,20%). As maiores baixas foram em Imobiliário (-4,75%), Obras de acabamento (-3,88%) e Incorporação de imóveis (-3,28%).