banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Economia brasileira deve ter um avanço de 2,7% em 2019, aponta CNI



Impulsionada pela expansão de 3% do setor industrial e de 6,5% do segmento de investimento, a economia brasileira deve ter um avanço de 2,7% em 2019. As estimativas constam no Informe Conjuntural – Economia Brasileira, divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Outra alta prevista é no consumo das famílias, que deve registrar um salto de 2,9% no ano que vem. Esse cenário, porém, só deve se confirmar se houver um ajuste duradouro nas contas públicas, segundo a entidade. Avançar nas reformas estruturantes, como a previdenciária e a tributária, por exemplo, estão entre as medidas consideradas fundamentais.

Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, a adoção dessas práticas garante melhorias no ambiente de negócios. Segundo ele, “o país deve se unir em favor de medidas que impulsionem o desenvolvimento econômico e social, como a desburocratização”.


O Informe Conjuntural ressalta ainda que o país tem condições de crescer, e manter essa evolução. De acordo com a CNI, “a resposta dos agentes econômicos poderá ser mais rápida e potencializar o crescimento, caso as medidas essenciais sejam adotadas”.

Desemprego e inflação

As previsões da indústria para 2019 também apontam para queda na taxa de desemprego, que deve chegar a 11,4%. Outra estimativa indica que a inflação do país ficará em 4,1% no ano que vem. Já a taxa nominal de juros básicos da economia alcançará 7,50% ao ano no fim de 2019.

Apesar das previsões animadoras, a CNI enxerga riscos, caso o país opte por reformas limitadas ou incompletas. Para a Confederação, a confiança dos empresários e consumidores pode diminuir, o que resultaria na estagnação da economia.

“Essa situação poderá ter um afeito devastador na confiança dos agentes, causando rápida deterioração dos indicadores de risco-país, ativos financeiros e taxa de câmbio, com reflexos na taxa de juros doméstica”, alerta a CNI.