banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Emprego na construção brasileira cresceu 0,11% em outubro


O nível de emprego na construção civil brasileira registrou alta de 0,11% em outubro na comparação com setembro. Foram realizadas 2.626 contratações, o que levou o estoque de trabalhadores para 2.378.035. Na comparação com outubro de 2017, a alta foi de 0,21% (5.090).

Ao se desconsiderar os efeitos sazonais*, o emprego registrou alta de 0,22% em outubro na comparação com setembro (5.212 contratações).
 
Os dados são da pesquisa realizada pelo SindusCon-SP em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), com base em informações do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE).

“A boa notícia é que o emprego na construção cresceu tanto em outubro, como na comparação com o mesmo mês do ano passado”, comenta o presidente do SindusCon-SP, José Romeu Ferraz Neto. "Isso sinaliza uma redução da tendência de demissões superando as contratações, que esperamos reverter em 2019", afirma.

 
Em outubro, na comparação com setembro, quase todos os seguimentos registraram alta, sendo as maiores em: Engenharia e Arquitetura (1,19%), Obras de instalação (0,53%) e Preparação de terreno (0,10%). A exceção foram Infraestrutura (-0,49%) e Incorporação de imóveis (-0,24%).

Na análise de 12 meses, apenas Engenharia e Arquitetura e Obras de instalação obtiveram crescimento de 6,84% e 5,24%, respectivamente. As maiores baixas foram em Obras de acabamento (-2,96%), Incorporação de imóveis (-2,12%) e Imobiliário (-1,76%).