banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Caixa amplia limites de financiamento das faixas 2 e 3 do MCMV


A Caixa Econômica Federal e o Ministério do Desenvolvimento Regional anunciaram novas condições de financiamento habitacional com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no âmbito das faixas 2 (renda de até R$ 4 mil) e 3 (renda de até R$ 7 mil) do programa Minha Casa Minha Vida.

Conforme a Caixa, os limites de valor do imóvel para municípios com até 50 mil habitantes em São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal passaram de R$ 95 mil (até 20 mil habitantes) e de R$ 110 mil (entre 20 mil e 50 mil habitantes), para R$ 145 mil. Na Região Sul, Espírito Santo e Minas Gerais o valor máximo passou de R$ 105 mil para R$ 140 mil; no Centro-Oeste, exceto o DF, de R$ 105 mil para R$ 135 mil; e no Norte e Nordeste, de R$ 100 mil para R$ 130 mil.

As novas condições incluem mudanças no valor máximo de subsídio para as famílias da faixa 2, que será de R$ 11,6 mil em municípios de todo o País com menos de 20 mil habitantes. Em outras localidades, o teto permanecerá o mesmo, R$ 29 mil, dependendo da região.

Com relação a faixa 1,5 do MCMV, o valor máximo do subsídio, R$ 47,5 mil, não sofrerá alterações para mutuários com renda bruta até R$ 1,2 mil. Rendas superiores terão redução progressiva do subsídio.