banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Governo quer conceder todos os ativos que puder à iniciativa privada



O Ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, informou que o Governo Federal pretende conceder à iniciativa privada a maior quantidade possível de ativos da União. Segundo ele, os orçamentos não são suficientes para a realização dos investimentos necessários em infraestrutura.
“Não temos disponibilidade de financiamento. No nosso conceito, o que é possível à iniciativa privada gerir, a gente tem que passar para a iniciativa privada”, disse o ministro durante audiência pública na comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados.

Freitas informou que de R$ 54 bilhões previstos em contratos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o governo dispõe de R$ 8 bilhões, sendo que R$ 6 bilhões estão previstos para investimentos e R$ 2 bilhões contingenciados para pagamento de juros da dívida pública.

“Nós temos hoje um problema fiscal muito grande e isso talvez seja a grande dificuldade para a provisão da infraestrutura: a falta de recursos. Estamos trabalhando com orçamentos que são muito inferiores às nossas necessidades”, disse.

O ministro também comentou sobre os leilões de aeroportos, terminais portuários e da Ferrovia Norte-Sul, que ocorreram em março. Segundo ele, o Brasil não vende ativos, mas “credibilidade” e a pasta atua para definir corretamente o modelo de contratação a fim de evitar o descumprimento de cláusulas contratuais e a suspensão de investimentos.