banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


BNDES investiu US$ 10 bi na exportação de serviços de engenharia


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou, em seu Portal na Internet, por meio da iniciativa "Aqui você tem transparência", que, nos últimos 20 anos (entre 1998 e março de 2019), desembolsou US$ 10,499 bilhões para o financiamento da exportação de serviços de engenharia e bens associados para 15 países.

Segundo a entidade, do valor de financiamento, o saldo devedor foi de US$ 3,119 bilhões em 31 de março deste ano. Na mesma data, as prestações em atraso somaram US$ 518 milhões.

Ainda conforme a plataforma do BNDES, de 1998 a março de 2019, os principais destinos para este tipo de exportações financiadas pelo banco são Angola (US$ 3,27 bilhões), Argentina (US$ 2 bilhões), Venezuela (US$ 1,5 bilhão) e República Dominicana (US$ 1,2 bilhão).

Entre 2003 a 2018, os financiamentos para serviços de engenharia e bens associados representaram 1,3% dos desembolsos totais do BNDES, enquanto que 36% corresponderam ao investimento na área de infraestrutura.

Os dados apontam, ainda, que o Fundo de Garantia à Exportação (FGE) – que cobre as garantias prestadas pelo banco, caso o devedor esteja inadimplente – é superavitário, pois recebeu, entre 1998 (data de sua criação) e março de 2019, US$ 1,313 bilhão em prêmios e pagou US$ 546 milhões em indenizações, mesmo com os atrasos recentes. Com isso, o saldo positivo ficou em US$ 767 milhões.