banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Pesquisa apura alta de 5% das vendas de material de construção em abril



De acordo com dados da Pesquisa Tracking Mensal, realizada pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), as vendas no varejo de material de construção registraram crescimento de 5% em abril na comparação com março, e de 4% em relação ao mesmo mês de 2018. Com esse resultado, no acumulado do ano o setor apresenta alta de 2% e, nos últimos 12 meses, incremento de 4%.
No levantamento por regiões, o Sudeste foi a Região com o resultado mais positivo no mês: 10% O Centro-Oeste apresentou elevação de 7%.  Sul e Nordeste tiveram aumento nas vendas de 5% e 4%, respectivamente. Já no Norte o desempenho ficou estável.
Claudio Conz, presidente Executivo da entidade, mostra preocupação com o desempenho das vendas nos próximos meses e prevê que o setor seja influenciado pelo regime de Substituição Tributária no Estado de São Paulo, que desde fevereiro estipulou alíquota única de 75% para cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da maioria dos itens de material de construção. “Cerca de 70% dos nossos produtos terão reajustes de preços em função do aumento de impostos. O cálculo do ICMS está muito acima do que vem sendo praticado pelo varejo. Essa mudança pode desacelerar nosso setor em um momento que deveria ser de retomada”, lamenta.
Segundo Conz, em março e abril houve aumento de preços ao consumidor paulista de 4% na maioria dos produtos. Abril, que é um mês que tradicionalmente representa bom desempenho de vendas para o setor, foi prejudicado, pois a expectativa era muito positiva para o período. “O preço final dos produtos deve aumentar ainda mais 4% para o consumidor final com esses novos índices até o final de maio”, explica.
Sobre esse tema, os lojistas entrevistados para a composição da Pesquisa Tracking foram questionados sobre o regime de Substituição Tributária e 66% na Região Sudeste afirmaram que gostariam que o governo extinguisse o regime em vigor, voltando ao sistema tradicional de crédito e débito. No levantamento nacional, 63% dos entrevistados também pediram o fim da ST.
O levantamento da Anamaco indicou, ainda, que o otimismo com relação ao Governo Federal nos próximos 12 meses retraiu 8% no mês, e que 47% dos entrevistados pretendem realizar investimentos no período. Já a intenção de contratar novos funcionários em maio permaneceu estável no período.

Fonte: Revista Anamaco