banner_fornecedores

Atividade industrial paulista mostra reação em maio, aponta Fiesp e Ciesp
A indústria paulista de transformação mostrou reação positiva em maio, após dois meses de quedas generalizadas em março e abril. O Levantame... Leia mais.

Confiança empresarial recupera 61% das perdas do bimestre março-abril
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 16,7 pontos em junho, para 173,6 pontos. Com a segunda q... Leia mais.

Estudo da Juntos Somos Mais mostra a expectativa dos varejistas no pós-crise
Pesquisa realizada pela Juntos Somos Mais, ecossistema do varejo da construção civil, que contempla mais de 75 mil varejistas e mais de 20 e... Leia mais.


Usuário:
Senha:


MP da Liberdade Econômica segue para sanção presidencial


O Senado Federal aprovou, com alterações, a Medida Provisória da Liberdade Econômica (MP 881/2019), que visa reduzir a burocracia para a iniciativa privada, facilitando a abertura de empresas. Os parlamentares retiraram o trecho que definia novas regras para o trabalho aos domingos e feriados, a fim de que a aprovação da medida acontecesse antes da perda de sua validade. Com os novos termos, a proposta se tornou lei e segue agora para sanção presidencial.

O plenário levou mais de duas horas para discutir a nova MP, devido a itens da medida que flexibilizavam o trabalho aos domingos. Conforme entendimento da maioria dos senadores, os trechos foram considerados “jabutis”, ou seja, não tinham relação com o tema original da proposta.

Sendo assim, após requerimento de impugnação da matéria estranha, foram retirados do texto três artigos que tratavam da flexibilização das regras trabalhistas. Foram excluídas a possibilidade de folga semanal de 24 horas em outros dias da semana, que não seja o domingo, e a dispensa do pagamento em dobro por trabalho nos domingos e feriados.

Segundo o Governo Federal, a nova lei irá oxigenar a economia, devido à facilidade de abertura e fechamento de empresas e a dispensa de alvará para atividades de baixo risco. A estimativa é gerar, em 10 anos, 3,7 milhões de empregos.