banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Confiança empresarial avança em novembro e segue trajetória ascendente


O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) subiu 1,0 ponto em novembro, para 95,4 pontos, após ficar estável no mês anterior. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou pelo quarto mês consecutivo, desta vez em 0,4 ponto. O ICE consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela entidade: Indústria, Serviços, Comércio e Construção.
No mês, os dois componentes do indicador evoluíram em sentidos opostos: o índice que mede a percepção corrente dos empresários (ISA-E) caiu 0,2 ponto, para 92,2 pontos, após cinco meses de evolução favorável. Já o Índice de Expectativas (IE-E) subiu 0,6 ponto, para 99,9 pontos.
Em termos setoriais, houve melhora na confiança da Indústria, Serviços e Construção. O destaque é a confiança da Construção, que vem crescendo desde o final do segundo trimestre (à exceção de setembro), e em novembro atinge o maior nível desde setembro de 2014 (89,9 pontos). Outra notícia favorável do mês foi a melhora das expectativas industriais, que vinham piorando nos dois meses anteriores.
No período, a confiança avançou em 67% dos 49 segmentos que integram o ICE, um número mais favorável que o do mês anterior. Na Indústria e nos Serviços a difusão de alta superou os 60%, com destaque para Indústria em que quase 80% dos segmentos avançaram no mês.