banner_fornecedores

Indústria de material de construção tem fevereiro regular, apura Abramat
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) acaba de divulgar a nova edição do Termômetro da Indústria de Mate... Leia mais.

Mortes por choques elétricos aumentam 12% no Brasil, apura Abracopel
Choques elétricos são verdadeiros riscos e o que muitas pessoas não sabem é que eles podem levar à morte. De acordo com Anuário Estatístico ... Leia mais.

Covid-19 causa impacto expressivo na confiança do consumidor em março
O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas (FGV) caiu 7,6 pontos em março, para 80,2 pontos, o menor valor desde j... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Confiança empresarial avança em novembro e segue trajetória ascendente


O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) subiu 1,0 ponto em novembro, para 95,4 pontos, após ficar estável no mês anterior. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou pelo quarto mês consecutivo, desta vez em 0,4 ponto. O ICE consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela entidade: Indústria, Serviços, Comércio e Construção.
No mês, os dois componentes do indicador evoluíram em sentidos opostos: o índice que mede a percepção corrente dos empresários (ISA-E) caiu 0,2 ponto, para 92,2 pontos, após cinco meses de evolução favorável. Já o Índice de Expectativas (IE-E) subiu 0,6 ponto, para 99,9 pontos.
Em termos setoriais, houve melhora na confiança da Indústria, Serviços e Construção. O destaque é a confiança da Construção, que vem crescendo desde o final do segundo trimestre (à exceção de setembro), e em novembro atinge o maior nível desde setembro de 2014 (89,9 pontos). Outra notícia favorável do mês foi a melhora das expectativas industriais, que vinham piorando nos dois meses anteriores.
No período, a confiança avançou em 67% dos 49 segmentos que integram o ICE, um número mais favorável que o do mês anterior. Na Indústria e nos Serviços a difusão de alta superou os 60%, com destaque para Indústria em que quase 80% dos segmentos avançaram no mês.