banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


PIB da construção registra alta de 1,3% no terceiro trimestre, revela IBGE


O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,6% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre, na série com ajuste sazonal. Na comparação com igual período de 2018, a alta é de 1,2%. No acumulado em quatro trimestres terminados no terceiro, o PIB registrou elevação de 1,0%, frente aos quatro trimestres imediatamente anteriores.
No acumulado do ano até setembro, o PIB cresceu 1,0%, em relação a igual período de 2018. Em valores correntes, alcançou R$ 1,842 trilhão no terceiro trimestre.
Nesse cenário, o PIB da construção aumentou 1,3% de julho a setembro, em relação ao segundo trimestre, contribuindo para o resultado positivo de crescimento do PIB nacional.
Os dados, divulgados hoje (03 de dezembro) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que esse foi o segundo trimestre consecutivo de crescimento, depois de 20 trimestres de queda. “O resultado reforça a percepção de que a crise do setor passou, com o início de um ciclo de recuperação”, comenta Odair Senra, presidente do Sindicato da Construção (SindusCon-SP),.
Na comparação com o mesmo período do ano passado, o PIB da construção subiu 4,4%, também o segundo período de crescimento após 20 trimestres consecutivos de queda. Já na comparação do acumulado dos quatro trimestres até setembro de 2019 com os quatro trimestres anteriores, a variação é de 0,4%.