banner_fornecedores

Produção industrial recua em 13 dos 15 locais pesquisados, aponta IBGE
A Pesquisa Industrial Mensal, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na série com ajuste sazonal, mostra que, ... Leia mais.

Nível de Utilização da Capacidade Instalada melhora em maio, revela FGV IBRE
Em maio, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou leve melhora, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia ... Leia mais.

Percentual de famílias com trabalho afetado pela pandemia sobe, mostra pesquisa
Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) mostra que pelo menos um membro de 57,2% das ... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Índice de Confiança da Construção atinge maior patamar desde 2014


Conforme apuração da Fundação Getulio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Construção (ICST) teve alta de 1,5 ponto em novembro frente a outubro, chegando a 89 pontos. Este é o maior patamar desde setembro de 2014, quando o índice chegou a 89,9 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice registra alta de 0,5 ponto, mantendo a tendência de crescimento que começou em junho deste ano.

A alta foi influenciada pela melhora da situação atual. O ISA, que apura a confiança do empresário da construção no momento presente, avançou 2,4 pontos em novembro e alcançou 81,3 pontos, melhor resultado desde fevereiro de 2015. Em seis meses, o ganho acumulado é de 8,9 pontos.

O Índice de Expectativas (IE-CST) – cálculo da confiança do empresário da construção para os próximos meses – subiu 0,5 ponto, chegando a 97 pontos e compensando a perda sofrida no mês anterior. Este resultado se deve à tendência dos negócios nos próximos seis meses, cujo indicador subiu 1,3 ponto, para 96,9 pontos.

Além disso, o Nível de Utilização da Capacidade do setor (Nuci) teve alta de 0,4 ponto percentual e alcançou 70,5%.

Segundo Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE, o resultado positivo mostra que a maioria do empresariado acredita que o ambiente está mais favorável. Entretanto, para ela, o ritmo da atividade permanece lento e é insuficiente para alavancar a economia.
De acordo com Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da FGV, a alta nas vendas e lançamentos registrados no mercado imobiliário em algumas cidades, especialmente em São Paulo, começa a se refletir de modo mais expressivo nos indicadores.