banner_fornecedores

Queda da atividade industrial se intensifica em abril, apura sondagem da CNI
De acordo com a Sondagem Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), os efeitos causados pela pandemia de coronavírus sobre a in... Leia mais.

Monitor do PIB aponta retração de 1,0% na economia no primeiro trimestre
O Monitor do PIB-FGV aponta, na análise da série dessazonalizada, retração de 1,0%, na atividade econômica no primeiro trimestre, na compara... Leia mais.

Indústria tem queda de 4,7% em abril sobre o mesmo mês de 2019
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulga nesta segunda-feira (18 de maio), a nova edição da sua pes... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Financiamento facilitado


A Secretaria da Habitação do Estado de São Paulo zerou a taxa de juros dos novos contratos de financiamentos de casas a apartamentos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). A mudança começou a valer em 02 de março e todos os novos financiamentos ou renegociações de dívidas já estarão nas novas regras.
O deputado Itamar Borges destaca a importância da iniciativa. “A casa própria é um dos maiores sonhos da população. Por isso, trabalho, apoio e faço gestões para construção de moradias, liberação de recursos e créditos e para diversas ações habitações em todo o Estado”, afirma o parlamentar ao citar ainda a atuação do secretário da Habitação, Flavio Amary.
Segundo ele, Amary, além de conhecer as demandas e necessidades do setor, sempre trabalhou para o desenvolvimento urbano e oferta de habitação. “O secretário tem feito um trabalho importante junto com a sua equipe e à CDHU”, frisa o deputado.
Os novos empréstimos da CDHU terão taxa zero, com o principal da dívida sendo corrigido apenas pelo IPCA. Além disso, o valor da parcela não poderá ultrapassar 20% da renda familiar. As mudanças permitirão que a parcela paga pelo mutuário seja fixa, com o subsídio distribuído de forma igual entre as prestações. 
As novas regras valem para famílias com renda mensal de até cinco salários mínimos e o prazo máximo de quitação do empréstimo permanece em 30 anos.

Fonte: Revista Anamaco