banner_fornecedores

Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento
Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Est... Leia mais.

Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio
O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada... Leia mais.

Confiança do empresário do comércio volta a crescer após quatro meses, diz CNC
De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após ter alcançado o menor patamar da série histórica n... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Confiança do comércio recua em abril e registra maior queda desde o início da série


O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) da Fundação Getulio Vargas (FGV) recuou 26,9 pontos em abril, a maior queda em toda a série iniciada em abril de 2010. O ICOM passou de 88,1 para 61,2 pontos, também registrando o mínimo da série histórica. Em médias móveis trimestrais, o índice caiu 12,3 pontos.
No mês, a confiança caiu em todos os seis segmentos. A piora do índice foi influenciada pelo segundo mês consecutivo de queda das expectativas. O Índice de Expectativas (IE-COM), despencou 19,5 pontos e atingiu 63,2 pontos, o menor patamar desde o início da série.
Além disso, houve deterioração da percepção dos empresários do setor sobre a situação atual. O Índice de Situação Atual (ISA-COM) teve perda de 33,0 pontos, registrando 60,9 pontos, o segundo menor valor da série histórica, perdendo apenas para outubro de 2015 (58,4 pontos).
A novidade de abril foi a grande piora da percepção dos respondentes com o momento presente. Em março, esse efeito tinha sido amenizado por dois motivos: o período da coleta (dados anteriores às medidas de isolamento, que ocorreu no meio do mês apenas) e por segmentos de bens essenciais que atenuaram o resultado. Já em abril, a queda da série em médias móveis trimestrais foi generalizada, atingindo os duráveis, semiduráveis e não duráveis, este último ainda com percepções menos negativas que os demais, influenciado por hiper e supermercados.

Fonte: Revista Anamaco