banner_fornecedores

Atividade industrial se aproxima do nível pré-pandemia, revela CNI
A atividade industrial continuou em trajetória de recuperação em julho. Com o novo aumento, os índices de faturamento, horas trabalhadas na ... Leia mais.

Pesquisa revela a expectativas de consumo
Com data marcada para 27 de novembro - menos de um mês antes do Natal - a Black Friday 2020 promete movimentar o varejo. No ano passado, a d... Leia mais.

Vendas no varejo crescem 5,2% em julho e têm a terceira alta seguida no ano
O volume de vendas do varejo cresceu 5,2% em julho em relação ao mês anterior, após a alta recorde de 13,3% em maio e de 8,5% em junho. Esse... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Monitor do PIB aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio


O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,7% da atividade econômica em maio, na comparação com abril, na análise da série dessazonalizada. No trimestre móvel, a retração é de 10,5%, em comparação ao trimestre móvel finalizado em fevereiro. Na comparação interanual, a economia retraiu 13,3% em maio e 9,4% no trimestre móvel encerrado em maio.
De acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV), a economia começou, em maio, a dar sinais de que o pior momento da crise econômica ocasionada pela pandemia de Covid-19 ocorreu em abril, quando a atividade econômica recuou 9,3%, em comparação a março.
Os componentes do PIB que foram mais impactados pela atual crise também mostram trajetória semelhante de queda e ascensão. As atividades de outros serviços e a construção, entretanto, ainda caíram em maio, apesar de apresentarem taxas menos negativas do que as de abril (-0,9% e -1,5%, respectivamente).
Nesse contexto, o consumo das famílias recuou 10,1% no trimestre móvel finalizado em maio, em comparação ao mesmo trimestre no ano anterior. O consumo de serviços explica praticamente metade dessa retração devido, principalmente, as fortes retrações no consumo de saúde privada e de alojamento e alimentação.
O consumo de produtos não duráveis, por sua vez, é o único a ficar praticamente estável (-0,1%), apesar de apresentar variação negativa após dois meses consecutivos de queda na taxa mensal interanual.

Fonte: Revista Anamaco