banner_fornecedores

Atividade industrial se aproxima do nível pré-pandemia, revela CNI
A atividade industrial continuou em trajetória de recuperação em julho. Com o novo aumento, os índices de faturamento, horas trabalhadas na ... Leia mais.

Pesquisa revela a expectativas de consumo
Com data marcada para 27 de novembro - menos de um mês antes do Natal - a Black Friday 2020 promete movimentar o varejo. No ano passado, a d... Leia mais.

Vendas no varejo crescem 5,2% em julho e têm a terceira alta seguida no ano
O volume de vendas do varejo cresceu 5,2% em julho em relação ao mês anterior, após a alta recorde de 13,3% em maio e de 8,5% em junho. Esse... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Após três quedas consecutivas, indústria eletroeletrônica registra crescimento


Maio último mostrou-se um mês positivo para a indústria elétrica e eletrônica. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) agregados pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) apontam para o crescimento de 15,6% da produção no mês, em comparação com abril, com ajuste sazonal.
O incremento ocorreu após registro de três quedas consecutivas. Desde fevereiro, a produção de bens eletrônicos já estava sendo prejudicada pelos problemas no recebimento de materiais, componentes e insumos da China, dificuldade agravada com as medidas de confinamento impostas pela pandemia, que impactaram a produção industrial a partir da última semana do mês de março, afetando todo o mês de abril.
Segundo o presidente executivo da Abinee, Humberto Barbato, o bom desempenho decorre do retorno da atividade de algumas unidades industriais, o que não foi suficiente para atingir índices superiores aos observados em 2019. A produção do setor registrou redução de 33,9% sobre maio do ano passado, com fortes quedas na área elétrica (-36,5%) e na eletrônica (-31,1%).
No acumulado de janeiro a maio de 2020, a produção industrial do setor eletroeletrônico recuou 16,4% em relação ao mesmo período do ano passado, consequência da queda de 16,8% da área eletrônica e de 16,0% da área elétrica.
Mesmo diante deste cenário, para Barbato, o olhar deve se voltar à evolução mês a mês. "Inevitavelmente, a retomada será gradual e esperamos que esse seja o primeiro passo", finaliza.

Fonte: Revista Anamaco