banner_fornecedores

Indústria continua ganhando fôlego e Abramat revisa projeção para o ano
A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) acaba de divulgar a nova edição de sua pesquisa Índice, elaborada ... Leia mais.

Prévia da Incerteza da Economia sinaliza desaceleração da tendência de queda
A prévia do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas (FGV) sinaliza uma retração de 1,8 ponto em outubro, para... Leia mais.

Construção a todo vapor
A recuperação do faturamento nominal, iniciada em maio, no varejo de material de construção, segue a todo vapor. De acordo com o Boletim Cie... Leia mais.


Usuário:
Senha:


Atividade industrial se aproxima do nível pré-pandemia, revela CNI


A atividade industrial continuou em trajetória de recuperação em julho. Com o novo aumento, os índices de faturamento, horas trabalhadas na produção e utilização da capacidade instalada (UCI) reverteram a maior parte da queda acumulada em março e abril, meses mais críticos da crise, e estão próximos do patamar pré-pandemia. Esses são os dados dos Indicadores Industriais da Confederação Nacional da Indústria (CNI).
O estudo revela que o faturamento real, na série dessazonalizada, aumentou 7,4% em julho, acumulando alta de 34,5% nos últimos três meses. O índice está 1,7% menor que o registrado em fevereiro, antes da pandemia de coronavírus e no acumulado de 2020 até julho apresenta queda de 5% na comparação com o mesmo período de 2019.
Já as horas trabalhadas na produção aumentaram 4,5% no período, na série dessazonalizada. De acordo com a pesquisa, o acumulado de 20,9% na alta das horas trabalhadas nos últimos três meses reverte a maior parte da queda de 23% observada em março e abril. O índice encontra-se 7% abaixo do registrado em fevereiro. No acumulado do ano, a queda é de 9% em relação a igual período de 2019.
Movimento semelhante é observado na UCI, que aumentou 2,9 pontos percentuais em julho, chegando a 75,4%, considerando a série livre de efeitos sazonais. O percentual é 3,4 pontos percentuais inferior ao registrado no período pré-pandemia, em fevereiro e, na média de 2020 até julho, a UCI é 3,6 pontos percentuais inferior ao mesmo período de 2019.
O emprego industrial, por sua vez, segue sem reação. Em julho, o indicador ficou próximo da estabilidade, ao registrar queda de 0,2%. A massa salarial e o rendimento médio, por outro lado, caíram na comparação com junho. Em relação a fevereiro, o emprego industrial acumula queda de 3,5% e a massa salarial, de 6,8%.
O levantamento também mostra que o rendimento real pago aos trabalhadores da indústria caiu 2,4% em julho, considerando a série dessazonalizada. O resultado reverte, parcialmente, o crescimento do mês anterior, fruto do fim de parte dos acordos de suspensão e/ou redução de jornada de trabalho e salário. No acumulado do ano de 2020 até julho, o rendimento médio real é 3,6% inferior em relação ao mesmo período de 2019.

Fonte: Revista Anamaco